sexta-feira, 8 de julho de 2011

the normal heart


pra quem ficou curioso em como conheci o jim parsons (o sheldon de the big bang theory - veja nossa foto aqui), foi por causa da peça 'the normal heart', em cartaz na broadway, em nova iorque, da qual ele faz parte do elenco. ao contrário da maioria das peças no circuito, esta não é um musical, além de ser um drama brilhante, forte e emocionante.

baseado em fatos reais, a história fala de um grupo de amigos e uma médica que se unem para impedir que médicos, políticos e a imprensa abafem a verdade sobre sobre uma epidemia desconhecida no início dos anos 80, a aids. ned weeks é um judeu que vai criar uma organização em nova iorque para que o assunto seja discutido e tenha a devida atenção das autoridades, inclusive do prefeito da época, que não queriam financiar pesquisas e nem queriam se preocupar com algo que até então era apenas relacionado aos gays.

a peça mostra como a epidemia se alastrou e levanta questões, por exemplo, sobre como as coisas poderiam ter sido diferentes quando existiam apenas 41 casos conhecidos mas ninguém, além do grupo, dava importância a isso.

também provoca questionamentos a respeito de como, atualmente, pouco se fala em hiv/aids, inclusive nas escolas, e como a epidemia mundial continua a crescer enquanto muita gente acha que isso nem existe mais.

a peça original foi encenada em 1985 e esta nova versão foi indicada a cinco prêmios tony®, ganhando melhor atriz (ellen barkin, no papel da médica), melhor ator (john hickey) e melhor remontagem.

várias fundações apoiam e também se involvem na causa (aqui) e o próprio autor, larry kramer (representado na peça como o judeu ned weeks), ajudou a fundar algumas delas, como o gmhc (gay men's health crisis) e o act up (aids coalition to unleash power).

ao final da peça, no lado de fora do teatro, ele entrega pessoalmente uma carta em que relata informações que não são ditas ou são abafadas hoje em dia em relação à aids, comparando a luta a uma guerra em que não há e nunca houve um general ou um líder que assumisse a frente e ajudasse a combater este inimigo.

para quem quiser ler a carta na íntegra, segue o link aqui.

3 comentários:

  1. Nossa, railer, MUITO bacana! Deu muita vontade de ver a peça.

    Ótimo post, legal que você pôs o link da carta também.

    ResponderExcluir
  2. Muito bacana! E tbm concordo muito com a falta de discussão atual sobre a aids. Hoje discute-se ainda um pouco sobre a não discriminação aos portadores do HIV. Já vi inclusive alguns curtas sobre isto. E sempre me preocupa o fato de mostrar portadores que tem uma vida "normal".

    E foi exatamente um outro curta que me chamou atenção para esta aparente "normalidade". Este curta discutia os problemas que eles têm com a alta quantidade de remédios diários, seus enjoos e limitações. Está muito melhor? Sim. Está. E isso é ótimo, mas não dá para não discutir e deixar que as pessoas de hoje esqueçam que proteção é necessária ou que, no pior dos casos, o governo dá o remédio e "a vida segue"... segue, sim, mas o custo parece ser bem alto.

    Xêro!

    ResponderExcluir

não será permitido nenhum tipo de discriminação nos comentários assim como nenhum tipo de ofensa ao autor ou aos visitantes. obrigado!

postagens relacionadas